Como funciona a vinícola subaquática de Bombinhas

Uma novidade para os amantes do turismo envolvendo vinhos: Santa Catarina terá a primeira vinícola dentro do mar do país. Mas como funciona a vinícola subaquática de Bombinhas? O Viajar é Vida apresenta os detalhes para você!

Primeiro, serão mais de mil garrafas que ficarão submersas de 3 a 6 meses dentro do Oceano Atlântico, num trecho de praia entre a Praia de Bombinhas e a Praia do Ribeiro. Serão todos vinhos de origem catarinense que ficarão por este tempo submersos como forma de envelhecer neste período o equivalente a 2 ou 3 anos. Esta aceleração do processo ocorre graças às condições do fundo do mar, como regularidade na temperatura e pouca incidência de luz.

Bombinhas foi escolhida porque dois parceiros da iniciativa privada e que atuam com vinhos moram e trabalham próximo. Além disso, a estrutura já existente em Bombinhas atende perfeitamente às necessidades referente ao mergulho. E, por fim, as ótimas condições geográficas da cidade para a instalação do projeto foram primordiais.

Como funciona a vinícola subaquática de Bombinhas
Foto: Prefeitura de Bombinhas

Como funciona a vinícola subaquática de Bombinhas: modelo ainda novo no mundo

A iniciativa partiu da própria prefeitura com o apoio de empresários locais. A gaiola de ferro que segurará as garrafas no fundo do mar foi construída em Itajaí, uma cidade vizinha, conhecida pela indústria pesqueira, naval e portuária.

A previsão é que as gaiolas com os vinhos sejam submergidas até novembro. E com mais esta novidade, a região cria um novo formato de turismo. A cidade que é fortemente conhecida pelas praias, pela natureza, pelas belezas naturais e pelo acolhimento da comunidade, vai agora entrar para a rota do turismo enogastronômico.

Bombinhas passa a ser uma das poucas cidades do mundo a ter este tipo de ambientação para os vinhos.  Apenas 10 cidades ao todo, de países como Estados Unidos, Espanha, Itália, França, Portugal, Croácia, Chile, Argentina e Uruguai executam tal processo.

Como funciona a vinícola subaquática de Bombinhas: modelo ainda novo no mundo
Foto: Prefeitura de Bombinhas

Leia também

Garrafas poderão ser retiradas pelos turistas em mergulhos

Para incentivadores do turismo local, o grande marco será a união da Serra Catarinense com o mar, incentivando o turismo catarinense como um todo e aquecendo o mercado de vinho em todo estado. Todas as vinícolas de Santa Catarina aderiram ao projeto.

E se você curtiu esta novidade, é porque nem imagina como deve funcionar a retirada das garrafas da água: os próprios interessados em consumir a bebida terão a chance de escolher seus vinhos mergulhando, aumentando a experiência. Algumas garrafas também serão distribuídas em restaurantes de Bombinhas e estarão nominadas como sendo parte integrante da vinícola submersa. Desta forma, mesmo quem não tem o desejo de mergulhar poderá consumir a bebida guardada no fundo do oceano.

O local escolhido para a colocação das cerca de mil garrafas de vinho é entre a Praia do Ribeiro (que tem pouco mais de 100 metros de extensão e é uma das praias que poucas pessoas visitam quando estão na cidade). Ela fica escondida entre os costões de Bombas e Bombinhas e tem acesso por essas praias.

Garrafas poderão ser retiradas pelos turistas em mergulhos
Foto: Wikipedia

Leia também

Como funciona a vinícola subaquática de Bombinhas? Saiba também sobre os vinhos de SC

Santa Catarina se destaca com uma interessante Rota do Vinho. Além da Serra Catarinense, que produz vinhos e espumantes premiados nacional e internacionalmente, há ainda o Roteiro Vale da Uva e do Vinho, no Vale do Contestado, que engloba as cidades de Videira, Tangará e Pinheiro Preto. Na região Sul, Urussanga e Nova Veneza também têm vinícolas e são altamente reconhecidas pela gastronomia italiana em cantinas, adegas e restaurantes típicos. Mais próximo da capital Florianópolis, está o Vale do Rio Tijucas, com Nova Trento (a capital do turismo religioso que abriga o Santuário da Santa Paulina), com produção de ótimos vinhos artesanais.

Nestas cidades e rotas, de uma maneira geral, os visitantes podem acompanhar o cultivo nos vinhedos, a produção do vinho, participar de sessões de degustação e, dependendo da época, assistir à colheita da uva durante visitas programadas e guiadas.

Como funciona a vinícola subaquática de Bombinhas? Saiba também sobre os vinhos de SC
Foto: Vinícola Thera

Vinhos de Altitude ganham certificação geográfica em Santa Catarina

Já que estamos falando de vinhos, os Vinhos de Altitude de Santa Catarina conquistam selo de indicação geográfica. Por isso o Viajar é Vida grafou com letra maiúscula mesmo: Vinhos de Altitude. Os produtores de vinhos finos tranquilos, nobres, licorosos, espumantes naturais, moscatéis e brandies elaborados em 29 municípios de Santa Catarina já poderão solicitar, a partir de 2022, o selo da mais nova indicação geográfica de procedência (IP) do Brasil. A concessão é do Instituto Nacional da Propriedade Industrial, o Inpi.  Esse selo traz ainda mais credibilidade aos produtos desenvolvidos nas áreas da Serra Catarinense. área geográfica que concederá o selo abrange cerca de 20% do território de Santa Catarina. As cidades que integram são Água Doce, Anitápolis, Arroio Trinta, Bom Jardim da Serra, Bom Retiro, Brunópolis, Caçador, Campo Belo do Sul, Capão Alto, Cerro Negro, Curitibanos, Fraiburgo, Frei Rogério, Iomerê, Lages, Macieira, Painel, Pinheiro Preto, Rancho Queimado, Rio das Antas, Salto Veloso, São Joaquim, São José do Cerrito, Tangará, Treze Tílias, Urubici, Urupema, Vargem Bonita e Videira.

São já cerca de 300 hectares de vinhedos plantados a pelo menos 900 metros acima do nível do mar, produzindo cerca de 1 milhão de garrafas por ano. Mais de 50% das propriedades se concentram em São Joaquim.

As grandes características destas áreas é que os parreirais mantêm boa amplitude térmica, com dias ensolarados e noites frias e úmidas. Nessa altitude há maior incidência de luz e radiação, além de menor disponibilidade de oxigênio; condições que tendem a gerar uvas com maior acidez, cor e boa maturação.

Gostou desta novidade? Você também leva em conta a gastronomia e a bebida como itens relevantes de suas viagens? Conte para os leitores deixando sua mensagem nos comentários do Viajar é Vida.

Vinhos de Altitude ganham certificação geográfica em Santa Catarina
Foto: Vinícola Villa Francioni
Vinhos de Altitude ganham certificação geográfica em Santa Catarina
Foto: Vinícola Thera

Conteúdos Relacionados


Um comentário

  1. Pingback: Como funciona a vinícola subaquática de Bombinhas – Blog do Raimundo Cunha – Jornalismo político com responsabilidade

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*