7 lugares para visitar em Joinville, Santa Catarina

A lista é grande, mas a gente conseguiu escolher 7 lugares para visitar em Joinville, Santa Catarina. Joinville é reconhecida mundialmente por ser a única sede no Brasil da famosa Escola de Balé Bolshoi. Mas antes de receber a instituição russa, Joinville já era conhecida em Santa Catarina e no Brasil como a Cidade dos Príncipes (a família real vivia por aqui), Cidade das Bicicletas (por ser plana e forte incentivadora deste veículo), das Flores (porque tem um incentivo aos jardins nas casas e espaços públicos) e depois então chegou o título de Cidade da Dança.

O que não falta é o que fazer nesta cidade localizada no Norte Catarinense, no pé da Serra Dona Francisca. Ela é a maior cidade do Estado e alia atrativos para quem gosta de passeios ao ar livre, cultura, museus, história, vida noturna, gastronomia…. Joinville fica distante apenas 130 km de Curitiba e 180 de Florianópolis e foi colonizada por alemães, suíços e noruegueses, imigrantes que até hoje são lembrados por aqui.

A viagem começa bem se iniciada pelo pórtico de entrada da cidade. A técnica arquitetônica alemã chamada enxaimel, em que a estrutura de madeira aparente recebe tijolos para preenchimento das paredes, forma esta estrutura de entrada em Joinville. Está situado às margens da BR-101 e foi influenciado pelas culturas alemã e holandesa. A inauguração da estrutura foi em 1979, durante uma das edições da Festa das Flores. Junto há um moinho onde funciona um restaurante. Ali ainda é a sede da Secretaria de Turismo. Mas prepare-se  para as dicas dos 7 lugares para visitar em Joinville, Santa Catarina.

Parque Zoobotânico atrai visitantes em qualquer estação do ano

O Parque Zoobotânico de Joinville é uma grande área de Mata Atlântica preservada. Localizada na Base do Morro do Boa Vista, bem na região central de Joinville, o espaço abriga animais da fauna silvestre brasileira e permite visitação e prática de atividades de lazer.  São 17 mil metros quadrados de parque com um lago.

No entorno, além de quiosques para fazer piqueniques, há trilhas em meio à floresta onde vivem os animais silvestres. No Zoobotânico de Joinville estão 172 animais, sendo 111 répteis, 40 aves e 21 mamíferos. Mas além destes que são mantidos preservados, o parque ainda conta com outra quantidade de animais que habitam o Morro da Boa Vista.

A comida fácil mantida pelos biólogos atrai espécies como tucanos, jabutis, tartarugas de ouvido vermelho, jacarés-de-papo-amarelo, jiboia, ema, coruja-orelhuda, araras-canindé, macacos-prego, capivaras, quati e furão. Se der sorte, cruzará com um deles em sua visita. O Parque Zoobotânico de Joinville funciona todos os dias, entre 7h e 19h. A entrada é gratuita.

  • Parque Zoobotânico de Joinville
  • Rua Pastor Guilherme Rau, 462, Bairro Saguaçu
  • Telefone (47) 3433-1230

Mirante do Morro Boa Vista possibilita visão diferenciada de Joinville

No alto do Morro da Boa Vista, logo depois do Parque Zoobotânico, fica o mirante da cidade. Com 250 metros de altitude, mais 14 metros da plataforma de observação, o mirante é acessado por escadaria ou elevador. A visão em todo o entorno, com giro de 360º, dá chances ao turista de observar a Baía da Babitonga (onde fica a Ilha de São Francisco do Sul), além da área central, área rural e a Serra do Mar.

O acesso é limitado a uma linha de ônibus urbana, que sai do terminal central. Quem for de carro, precisará estacionar no pé do morro e encarar uma caminhada de 30 minutos de subida.

Placas orientam os visitantes na trilha. No caminho é possível ter um contato de perto com a Mata Atlântica e a viagem fica ainda melhor se o turista for com confortáveis, tênis e levar água. Lá em cima, no mirante, tem estrutura com bebedouro e banheiros. O funcionamento é das 7h às 19h e o Mirante integra a lista de 7 lugares para visitar em Joinville, Santa Catarina.

  • Mirante do Morro Boa Vista
  • Rua Pastor Guilherme Rau, s/n, Bairro Saguaçu

Terras da família real formam a Serra Dona Francisca

Além de Joinville, a Serra Dona Francisca possui outras cidades nos arredores com forte apelo rural. Hotéis-fazenda, pousadas, restaurantes, tudo remete o turista ao melhor contato com a natureza. Boa parte das terras foram dadas como dote no casamento da princesa Francisca Carolina (irmã de Dom Pedro II), com o príncipe francês François Ferdinand Phillippe Louis Marie.

Uma estrada que começa no Centro de Joinville, atravessa a cidade em direção ao Paraná, cortando a BR-101 e seguindo pelas cidades de Campo Alegre, São Bento do Sul, Rio Negrinho e Mafra, seguindo até o município de Rio Negro onde é a divisa do Paraná com Santa Catarina.

Museu da Imigração e da colonização contam a história de Joinville

Se é para guardar as memórias de quem chegou por Joinville logo no começo, o Museu Nacional de Imigração e Colonização cumpre bem seu papel. O lugar preserva histórias e objetos relacionados à imigração no Sul do Brasil  e está em funcionamento desde 1957. São 6 mil metros quadrados  de área, com espaços expositivos que contam histórias da vida rural e urbana da região.

O casarão onde funciona, também conhecido como “Maison de Joinville”, teve o início da sua construção em 1867 e foi concluído em 1870. Quem projetou foi Frederico Bruestlein, administrador dos bens do Príncipe de Joinville. Além de sede da administração dos bens reais, serviu também como sede administrativa da Colônia Dona Francisca.

Apesar de chamado de “Palácio dos Príncipes”, o lugar nunca serviu como residência à família Orleans. Nos arredores fica a Rua das Palmeiras, via que concentra 90 espécies de palmeiras seculares. Leve máquina fotográfica para guardar incríveis recordações destes 7 lugares para visitar em Joinville, Santa Catarina.

  • Museu Nacional de Imigração e Colonização
  • Rua Rio Branco, 229, Centro
  • Horário ao público: fechado para restauro

Artista local deu fama internacional a Joinville e hoje mantém o Instituto Juarez Machado

Filho de Joinville, nascido em 1941, Juarez Machado é um dos principais nome das artes plásticas da sua geração. Mais que um pintor, trabalhou também com ilustração, cenário para teatro e televisão, escultura, desenho e gravura de humor. Ao longo de sua carreira, recebeu inúmeros prêmios em feiras no Brasil e outros internacionais. A partir de 1986 ele escolhe Paris  para viver, onde frequentemente expõe (e por toda Europa).

E como forma de respeitar suas origens e estimular a consciência artística em sua cidade natal, criou o Instituto Juarez Machado que foi inaugurado em Joinville em 2014. O lugar serve para pensar, aprender, apreciar ou expor arte.

A criação é um estímulo, já que não tem fins lucrativos e foi concebido para trazer mais arte para a vida dos moradores de Joinville e região. São inúmeras atividades e espaço para exposições, cursos, palestras e debates. Também há uma exposição permanente com obras dos 50 anos de carreira de Juarez Machado.

Quem chegar ao local de bicicleta entra de graça. A ideia é uma forma de estimular a preservação ambiental e estimular o uso da bike naquela que é considerada a Cidade das Bicicletas.

  • Instituto Juarez Machado
  • Rua Lages, 994, Bairro América
  • Horário: de terça a sábado, das 10h às 18h30min e aos domingos e feriados, das 15h às 18h30min.
  • Telefone: (47) 3033-3036

Escola Bolshoi já completou 20 anos em Joinville

Considerada uma das principais companhias de balé e ópera do mundo, o Teatro Bolshoi escolheu Joinville como sede no Brasil há 20 anos. É considerado patrimônio cultural da humanidade pela ONU e Unesco e, na Rússia, surgiu em 1776. No Brasil, funciona desde 15 de março de 2000 e tem a honra de ter contribuído com o sonho de muita criança de todos os cantos do país.

Por meio de suas aulas, proporciona a formação de artistas da dança, ensinando a técnica de balé segundo a metodologia Vaganova, dança contemporânea e disciplinas complementares. Com alunos vindos de diferentes estados brasileiros e do exterior, a instituição ressalta o seu compromisso social, ao conceder 100% de bolsas de estudo e benefícios para todos os alunos. Uma grande seleção é realizada anualmente para o ingresso de novos bailarinos.

Quem não é dançarino, nem tem este sonho, mas tem curiosidade sobre como funciona, a Escola realiza visitas monitoradas de segunda à sexta-feira, em dois horários: 10h e 14h30min. Os ingressos custam R$ 10,00 inteira.

Atualmente, o Teatro Bolshoi de Moscou realiza 300 espetáculos, por ano, em diversos países. E possui quatro nomes brasileiros em sua companhia profissional, sendo três deles formados em Joinville: Bruna Gaglianone, Erick Swolkin e Mariana Gomes.

  • Escola Bolshoi
  • Av. José Vieira, 315 (Centreventos Cau Hansen), Bairro América
  • Telefone: (47) 3422-4070

Joinville tem Museu da Bicicleta com 16 mil itens

O Museu da Bicicleta de Joinville foi fundado no ano 2000 e possui mais de 16 mil itens variados entre bicicletas, peças; acessórios; posters, fotografias, catálogos; objetos de arte, bicicletas exóticas e um modelo exclusivo de andar na linha do trem (bitola métrica). Tem ainda selos,  cartões telefônicos e vários outros elementos que se relacionam com o veículo. São cerca de 1,5 mil visitantes todos os meses.

Em todo o mundo, existem apenas 7 museus dedicado ao tema. O de Joinville, em Santa Catarina, é o único da América Latina. Vale destacar que o município foi considerado a Cidade das Bicicletas na década de 1960, porque tinha a incrível média de uma bicicleta para cada dois habitantes. É de 1897 o primeiro registro de bicicleta em Joinville.

  • Museu da Bicicleta
  • Praça Monte Castelo s/n° (Estação Ferroviária), Bairro Anita Garibaldi
  • Entrada gratuita

Conteúdos Relacionados


Um comentário

  1. Pingback: O que fazer numa viagem de 4 dias aos cânions do Sul do Brasil Viajar é Vida!

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*