Como chegar ao deserto de sal na Bolívia

Chamado de Salar de Uyni, a paisagem deste trecho da América do Sul é realmente impressionante. E o Viajar é Vida ensina você como chegar ao deserto de sal na Bolívia.  

Com cerca de 10 mil habitantes (sim, mesmo sendo um deserto, há moradores), o Sala de Uyni fica no Sudoeste da Bolívia, cerca de 270km de Potosi e 500 de La Paz. Além de maior deserto de sal do planeta, é também o mais alto, com 3.656 metros acima do nível médio do mar. São 10 mil quilômetros de área e um fato: é o único ponto natural brilhante que pode ser visto do espaço e chegou a servir de guia para os astronautas que chegaram à lua pela primeira em 1969.

Foto: Deugchul Shin

“Como chegar ao deserto de sal na Bolívia

Foto: Otsuka 88

O que é e como chegar ao deserto de sal na Bolívia

Segundo os cientistas, o salar é resultado de diferentes transformações de lagos pré-históricos. Chamado de salar porque tem alguns metros de uma camada de sal que serve como fonte de sal de cobre e também lítio.

Mesmo sendo um deserto, serve para nortear o transporte altiplano da Bolívia e também é muito fértil para algumas espécies de flamingos rosas.

A profundidade total da camada de sal é estimada em 120 metros e é composta de uma mistura de salmoura e barro lacustre. O deserto de sal é também uma das maiores reservas de lítio do mundo, além de conter importantes quantidades de potássio, boro e magnésio. A origem do sal provavelmente está relacionada com a imensa quantidade de vulcões na região.

Não tente cruzar sozinho e contrate os pacotes com guias locais especializados

De São Paulo partem voos para La Paz (na Bolívia) ou Santiago (no Chile). O passeio do Salar de Uyuni pode começar em San Pedro de Atacama, no norte do Chile, ou na cidade de Uyuni, na Bolívia. Se começar pela Bolívia, o final do percurso será no Chile. E vice-versa. Apesar disso, é possível tratar com a agência de viagens que fazem os passeios de voltar para a cidade de origem após terminar os dias de pacote. Segundo a pesquisa do Viajar é Vida, sair da Bolívia custa menos e eles fazem a viagem em menos dias também.

Importante: o deserto é uma área remota, repleta de desafios e é necessário realizar os acessos sempre com empresas especializadas. Elas dão o suporte necessário para a sobrevivência no local. Os pacotes levam em torno de 4 dias e, partindo de Uyni, vai até a fronteira com o Chile, bem na entrada do Deserto do Atacama. O roteiro costuma ter início a 1km do centro do pequeno povoado, onde está o Cemitério de Trens que guarda sucatas de vagões abandonadas por empresas europeias que tentaram explorar a região.

Foto: Jerzy Andrzej Kucia 

Deste trecho em diante, haverá apenas uma imensidão branca formada pelo sal e o céu como companheiro no horizonte. Ao longo do caminho você conhecerá vilarejos como Colchani, onde o sal serve para o trabalho manual de diferentes artistas. Depois, mais adiante, na Isla Incahuasi atente para os cactos gigantes que chegam a mais de 10 metros de altura. Aliás, não estranhe o lugar ser chamado de ilha, já que existem 33 “ilhas” por lá. São pequenas elevações de terra, cercadas de sal por todos os lados. As mais famosas são as Ilhas do Pescado e a própria Incahuasi, com suas formações de recife.

Foto: Francesco Bovolin

Consulte a reputação das agências e converse com quem já foi

Observe a reputação das agências que for contratar para fazer o percurso. Opte por aquelas bem mencionadas na internet. E, se possível, converse com quem já fez a viagem. Cada um costumar fazer um roteiro diferente para cruzar os cerca de 800km, embora todas tentem contemplar o melhor roteiro possível para os viajantes. São cavernas que ainda guardam resquícios de quando a região era um grande mar; gêiseres e piscinais termais a quase 4 mil metros de altitude. Outro atrativo durante o passeio é a visita à Reserva Nacional de Fauna Andina Eduardo Avaroa onde lagoas são batizadas de acordo com seus tons coloridos: Laguna Verde e Laguna Colorada.

Entre as atrações criadas pelo ser humano está o Hotel de Sal Playa Blanca, uma construção no meio do deserto toda feita com blocos de sal. Paredes e até móveis são todos feitos a partir da matéria-prima mais vista no Salar. Há ainda a Praça das Bandeiras, que fica em frente ao hotel desativado e contém várias bandeiras (de países, entidades e até clubes esportivos).

Foto: Jerzy Andrzej Kucia

Como chegar ao deserto de sal na Bolívia, um verdadeiro resquício da pré-História

Diz a ciência que há cerca de 40 mil anos toda esta área do atual Salar de Uyni integrava ao Lago Michin, mas quando ele secou deixou ainda vivo os atuais lagos Poopó e Uru Uru, além de dois grandes desertos salgados, Coipasa (o menor) e o extenso Uyuni.

É difícil mensurar exatamente, mas a estimativa é que o Salar de Uyuni possua 10 bilhões de toneladas de sal, das quais menos de 25 mil toneladas são extraídas anualmente.

São 11 camadas com espessuras que variam entre 2 e 10 metros, sendo a mais externa de 10 metros. A extração de sal ajuda na economia da Bolívia, mas vale destacar que o Salar de Uyni também recebe muitos viajantes dos quatro cantos do mundo. Por isso, o turismo é um forte contribuinte para a sobrevivência do país. No período de chuvas, o Salar se assemelha a um enorme espelho que se confunde no horizonte com o céu. Assim os passeios ficam restritos a algumas áreas. Entretanto, entre abril e novembro todo o deserto de sal fica acessível, pois torna-se um imenso deserto seco com uma paisagem ainda mais exóticas.

Foto: Flying Mozart

Você já teve a oportunidade de se encantar pelo Salar de Uyni? Que outras dicas você daria para os leitores do Viajar é Vida que estão se planejando para esta incrível viagem e querem aprender como chegar ao deserto de sal na Bolívia?


Conteúdos Relacionados


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*