7 parques para explorar no Alasca

O site Travel+Leisure levantou uma lista com 7 parques para explorar no Alasca, conteúdo que o Viajar é Vida adaptou para apresentar ao público brasileiro interessado em conhecer as belezas naturais do 49º estado norte-americano. Neste momento de pandemia, o Alasca não está mais exigindo um teste de Covid-19 negativo para entrar no estado, embora mantenha exames rápidos disponíveis nos aeroportos para quem desejar fazer. A justificativa do governo é que o estado de emergência expirou e agora já estão na fase de transição para a recuperação. Entre as medidas mantidas está o uso de máscaras e o distanciamento social.

Sobre os parques, a lista contempla aqueles menos visitados, já que o Parque e Reserva Nacional Denali, o Glacier Bay e os fiordes de Kenai são bem famosos. Vale destacar que o Alasca possui 54 milhões de acres de parques nacionais no total e alguns deles podem ainda estar fechados em razão do coronavírus. Vamos à lista!

7 parques para explorar no Alasca
Foto: David Mark/Pixabay

Siga o Viajar é Vida no Instagram

Wrangell-St Elias é onde tem o maior número de picos da América do Norte

O Parque Nacional e Reserva Wrangell-St Elias tem o maior número de picos da América do Norte, com elevações de até 4780 metros de altura e muito mais geleiras do que qualquer outro parque. Somente a geleira Malaspina é maior do que o estado de Rhode Island. O lugar possui paisagem selvagem, acidentada. Pela região é possível fazer pesca em lagos, camping selvagem, alpinismo em cavernas de gelo glaciais… tudo com operadores de turismo locais. Uma atração nas profundezas do parque é a cidade de mineração de cobre há muito abandonada de Kennecott. Entre os anos 1900 e 1938, milhões de dólares em minério foram extraídos do local.

Entre os maiores parques para explorar no Alasca está o Saint Elias
Foto: David Mark/Pixabay

Atuação de vulcões ajudou na formação do Aniakchak

Já o Monumento e Reserva Nacional Aniakchak está situado em uma área bem selvagem e sem estradas. Aqui fica uma caldeira de 9 quilômetros de largura e 760 metros de profundidade que foi formada em uma erupção vulcânica tão intensa que desabou uma montanha de 7.000 pés, há cerca de 3.500 anos. A atividade vulcânica mais recente de Aniakchak foi em 1931 e, embora não tenha sido tão dramática, as cinzas foram espalhadas a cerca de 64 quilômetros de distância.

Dentro da caldeira, com seus cones de cinza e outras características geológicas, está o Lago Surpresa que é alimentado por fontes quentes, geleiras e neve derretida que dão origem ao selvagem Rio Aniakchak. Por aqui faz sempre frio. Mesmo no verão o Serviço Nacional de Parques avisa que as condições podem levar à hipertermia. Para chegar aqui, alugue um piloto no vilarejo de King Salmon ou viaje com uma operadora de turismo, como Alaska Alpine Adventures, que organiza uma viagem de 12 dias para mochileiros experientes.

Atuação de vulcões ajudou na formação do Aniakchak
Foto: Free Photos/Pixabay

Leia também

Parque Nacional e Reserva Lake Clark entre os 7 parques para explorar no Alasca

A maioria dos visitantes chega ao Parque Nacional e Reserva Lake Clark de hidroavião que parte de Anchorage ou Port Alsworth. São mais de 4 milhões de acres de território. O Lago Clark protege as terras ancestrais do povo Dena’ina Athabascan e as características naturais incluem lagos turquesa e riachos repletos de salmão (e ursos, que vão atrás do pescado). Do alto é possível ver as geleiras e montanhas escarpadas.

Um dos atrativos locais é a trilha moderada até Tanalian Falls, onde a água fria da geleira cai sobre um antigo penhasco de lava de 45 metros de altura. Campismo rústico está disponível no parque, enquanto bed and breakfast e chalés com tudo incluído estão disponíveis em Port Alsworth.

Parque Nacional e Reserva Lake Clark entre os 7 parques para explorar no Alasca
Foto: David Mark/Pixabay

Bering Land Bridge teria sido uma ligação com o Leste da Ásia

A Reserva Nacional da Bering Land Bridge fica no Ártico e é pouco visitada. Dados históricos mostram que os 2,7 milhões de acres protegem um pequeno remanescente das terras que, até o final da última Idade do Gelo, conectava o Leste da Ásia e a América do Norte. Acredita-se que os humanos tenham migrado por essa “ponte” natural, hoje submersa. Por aqui os poucos visitantes podem avistar ursos polares, renas e morsas. Aves marinhas e aquáticas migram no verão. A atração mais popular são Serpentine Hot Springs, onde as águas quentes são cercadas por imponentes torres de granito. Para chegar é possível vir de avião a partir de Kotzebue ou Nome durante o verão e de moto para neve ou trenó puxado por cães durante o inverno.

Bering Land Bridge teria sido uma ligação com o Leste da Ásia
Foto: Lia Nydes/Flickr

Calor e deserto no Kobuk Valley que integra a lista dos 7 parques para explorar no Alasca

No Parque Nacional Kobuk Valley o viajante chega acima do Círculo Polar Ártico, embora aqui vivam uma experiência semelhante ao Saara com areia e temperaturas que chegam a 100 graus. As grandes dunas de areia chegam a 40 quilômetros quadrados com picos de até 45 metros de altura. A areia fina sobrou de cerca de 28.000 anos atrás, quando as geleiras recuaram, moendo a terra e polvilhando o vale. Hoje em dia a vida entre as dunas inclui flores silvestres únicas e ursos residentes. A única construção do parque nacional é o Northwest Arctic Heritage Centre, a 120 quilômetros de distância da vila de Kotzebue. Os táxis aéreos é que fazem o transporte para as dunas.

Calor e deserto no Kobuk Valley que integra a lista dos 7 parques para explorar no Alasca
Foto: Wikipedia

Caminhadas noturnas com guia neste que integra a lista de 7 parques para explorar no Alasca

No Parque e Reserva Nacional do Ártico existem enormes vales glaciais, além da cordilheira escarpada de Brooks e seis rios selvagens. Não há estradas no parque, que se estende por 8,4 milhões de acres, tornando-o o segundo maior do país depois de Wrangell-St. Elias. A maioria dos visitantes vem de Fairbanks ou da vila de Nunamiut para passeios de um dia ou caminhadas noturnas guiadas conduzidas por alguns guias.

Caminhadas noturnas com guia neste que integra a lista de 7 parques para explorar no Alasca
Foto: Wikipedia

7 parques para explorar no Alasca: o Katmai tem milhares de ursos pardos

O Parque e Reserva Nacional de Katmai possui milhares de ursos pardos que residem no local. O destino principal é o acampamento Brooks nas margens do rio de mesmo nome. É aqui que os ursos circulam e os viajantes podem ver os animais em segurança, numa plataforma de observação. Os melhores meses para ver os ursos são julho, quando os salmões estão correndo, e setembro, quando os peixes acabam de desovar. Katmai também é um lugar para ver vulcões ainda fumegantes: uma das maiores erupções da história registrada ocorreu aqui em 1912 e levou ao colapso da Montanha Katmai, criando o Vale das Dez Mil Fumaças.

7 parques para explorar no Alasca: o Katmai tem milhares de ursos pardos
Foto: Wikipedia

Gostou deste material que destaca os 7 parques para explorar no Alasca? Você viveria uma aventura destas? Conte nos comentários do Viajar é Vida.


Conteúdos Relacionados


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*