Dicas para viajar sozinha para Genebra

O termo sabático é alusivo a um período em que se tira para projetos paralelos à carreira profissional. Como uma mãe, esposa, empresária e mestranda vivo com o tempo bem apertado, resolvi realizar meu sonho de viajar sozinha por um pequeno período, apenas quatro dias. E as dicas para viajar sozinha para Genebra eu conto agora.

No mapa da Europa eu tinha algumas opções saindo de Portugal, país em que eu vivo. Meu primeiro critério de seleção era a língua francesa, idioma que sou apaixonada (há anos tento ser fluente – e estou longe disso), mas ando sem tempo para me dedicar em aulas e uma pequena viagem seria uma espécie de intensivo prático de francês. Depois, os critérios que pesquisei foram a segurança para mulher que viaja sozinha.

Alguns países me chamaram a atenção, mas aí a Suíça foi campeã nesse aspecto. Segurança é realmente uma certeza. O período também me fez checar bem se a Suíça seria uma boa, já que era final de janeiro, e quais cidades teriam condições meteorológicas legais para uma mulher viajante.

Esse meu período de residente em Portugal me fez ter tranquilidade em temperaturas abaixo de 10 graus e em dias de chuva. Capa de chuva, aliás, é item prático e indispensável a viajantes em locais com probabilidades de dias nada ensolarados.

Dicas para viajar sozinha para Genebra. Sugestões de quem escolheu a metrópole da Suíça para um roteiro sem companhia”

Chegando em Genebra e as dicas para transporte de graça

Pois bem, Genebra é muito mais do que esperava. Cheguei no final de um festival de lanternas gigantes que encheu a cidade de luzes. Ou seja, mesmo em dias de inverno Genebra estava com um colorido a mais.  Genebra não é capital da Suíça (é Berna), embora seja uma das cidades mais visitadas do país. O que eu destaco também de escolher esse destino é a facilidade de locomoção, um ponto a mais nas dicas para viajar sozinha para Genebra.

É super fácil andar de ônibus em Genebra. E, mais uma vez, destaco: é seguro andar de ônibus/trem/metrô mesmo sendo uma mulher que viaja sozinha. Os meios de transporte públicos funcionam como “um relógio suíço (piada péssima, mas é a mais pura realidade). Em alguns pontos de ônibus há placares eletrônicos similares a estações de metrô avisando a minutagem de chegada de diferentes linhas. E dentro dos ônibus, há também painéis avisando as estações da linha, ou seja, não tem como ficar insegura.

Foto: álbum pessoal de viagem

Falando em transporte público, a maioria dos hotéis entrega a cortesia de um bilhete com duração de 15 dias que permite uso gratuito de ônibus, metrô e barco. Uma bela economia se o câmbio for francos suíços x reais brasileiros. Falando em transporte, atenção a essa super dica do Viajar é Vida.  Ainda no aeroporto, quando você retirar a sua bagagem, olhe ao lado e perceba umas máquinas de impressão de bilhete de transporte público (antes da imigração). Eles são de graça e uma cortesia do aeroporto.  Ah, o aeroporto fica a apenas 6km do centro de Genebra, um trajeto de metrô em menos de 10  minutos e como eu já falei, de graça para os ligados nas dicas de viajantes. É ou não é incrível esta das dicas para viajar sozinha para Genebra?

Atrativos de Genebra em um roteiro a pé e sozinha

Agora vamos ao que fazer em Suíça, em especial, atrativos gratuitos que são inúmeros. Suíça é cara, ok, mas há coisas para fazer de graça na Suíça. Parece mentira, mas Genebra tem roteiros gratuitos sim. Quer ver só? O turismo em Genebra pode ser a pé ou ônibus, ok?  O roteiro que trago aqui é o mesmo feito por mim, em quatro dias. Vamos lá:

– comece pelo principal cartão postal Jet d’eau”, um jato d’água de 140 metros de altura  que fica bem no meio do Lago Léman. Essa grande queda de água pode ser vista de diferentes pontos da cidade. Aproveite as fotos com os alpes ao fundo. No verão esse espaço ao redor do lado vira uma verdadeira praia para os locais, o Bains de Pâquis, que tem banhos no lago e em piscinas e até sauna. Como eu fui no inverno, aproveitei para caminhar muito nessa região e contemplar o verde e as centenas de aves aquáticas que circulam pelos arredores.

– pertinho do lago, a cidade dos relógios tem um Relógio das Flores, (Horloge Fleurie). São milhares de flores e mesmo no inverno esse ponto turístico está colorido. Esse relógio fica na entrada do Jardim Inglês. Quer focar em relógios, não perca a ida ao Museu Patek Philippe que oferece um tour pela história mundial do relógio.

A cidade Velha entre as dicas para viajar sozinha para Genebra

Na área conhecida como Cidade Velha há inúmeras atrações para serem contempladas.  Ali, naquele espaço, nasceu Genebra, a capital da Paz.  Minha dica principal é a Catedral de Genebra. Vale a pena ir caminhando até lá. A região tem prédios históricos e a arquitetura é de encher os olhos. Bem no alto,a catedral oferece uma das mais belas vistas da cidade, aliás, uma vista 360 graus.

Foto: álbum pessoal de viagem
  • Parque dos Bastiões (Parc des Bastions) e o Muro dos reformadores (muro  dentro do parque que homenageia os líderes da Reforma Protestante. Esse monumento foi feito pelo arquiteto Paul Landowski, o mesmo que fez o Cristo Redentor no Rio de Janeiro. No parque há tabuleiros gigantes de xadrez que são sempre bem disputados, e no inverno detalhe para uma pista de patinação no gelo.
  • Em frente ao Parque dos Bastiões, está a Ópera de Genebra (Grand Théâtre de Genève). Pare em frente, admire cada detalhe da construção e não hesite em entrar. Paredes repletas de pinturas, decoração refinada e de bom gosto e um café aconchegante valem a visita. No meu caso, tive a sorte de chegar lá e ter uma Ópera quase começando. Não tive dúvidas e assisti ao espetáculo, aliás, meu debut em ópera. Fiquei encantada por tudo, do espaço (o teto é algo surreal que remete a um planeta) à dinâmica de uma ópera mais moderna. Quero aqui fazer uma confissão. O espetáculo terminou às 22h e meu hotel ficava a uns 10 minutos de caminhada de lá. Eu estava insegura, pedi às recepcionistas da Ópera se era seguro ir caminhado (coisa de quem quase não viaja sozinha, né? E elas sorrindo falaram para eu ir com tranquilidade e a certeza de que estaria segura. Dito e feito, a cidade estava cheia de gente para lá e para cá!
  • Palais des Nations – Sede da ONU na Europa. Visita à ONU: na página da ONU há os horários com as visitas ao interior do prédio. Confesso que esse era meu desejo, mas a minha agenda não casou. Apesar de ter ido para o meu momento de viagem sozinha, eu tinha uma agenda de trabalho para conciliar. Mas mesmo indo num sábado e apenas contemplando o exterior, já valeu. Começando pela enorme escultura que fica em frente ao Place des Nations (onde ficam as bandeiras): a escultura Broken Chair.
  • Broken Chair: trata-se de uma escultura que simboliza uma campanha contra as minas terrestres. A obra do artista Daniel Berset fazia parte de uma exposição temporária, mas fez tanto sucesso que se tornou um cartão postal fixo.
Foto: álbum pessoal de viagem

Outras atrações pertinho da Onu:

  • Jardim botânico de Genebra: o local é lindo, cheio de espaços temáticos,  como o Jardim Japonês, e estufas que nos inserem em ambientes com muito verde e flores. Acesso gratuito;
  • Museu Ariana, o museu da porcelana. Detalhe para a escultura remetendo a uma imensa serpente feita em tijolos. Não entrei nesse espaço, mas aproveitei cada canto, entre eles, uma linda estátua de Gandhi;
  • Museé Internationale de la Croix-Rouge et du Croissant-Rouge (Museu da Cruz Vermelha): esse vale sim! É para quem gosta de entender a história e exemplo de ajudas humanitárias. O museu é super interativo e com exposições que arrepiam. Os depoimentos de refugiados foram momentos que vão me acompanhar pela vida, um tapa em prol da empatia por outros povos e realidades com muita dor e garra. Como era o primeiro sábado do mês, minha entrada foi gratuita.
Foto: álbum pessoal de viagem

Por fim, Genebra tem muitas outras opções, como falei. Mas aqui vão algumas dicas para viajar sozinha para Genebra.

  • Lago Léman e o seu famoso Jet d’Eau;
  • Passeio de barco para ter uma visão da cidade que é ladeada por Alpes. Paisagem de cinema;
  • Fotos em frente ao Horloge Fleurie (relógio de flores), em pleno Jardin Anglais (jardim Inglês);
  • Atravessar as margens direita e esquerda da cidade caminhando pela Ponte Mont Blanc. Aproveite a caminhe muito por Genebra. Veja inclusive as vitrines das marcas mais luxuosas do mundo! Tudo reunido em poucos quarteirões nas ruas Rue du Rhône, a Rue de la Croix-d’Or e a Rue de Rive;
  • Catedral de St-Pierre , e no subsolo, para quem gosta, tem o Museu  Arqueológico;
  • Gosta de história e arquitetura, não deixe de visitar a Casa Tavel, na cidade velha e é a mais antiga construção da Idade Média desta cidade. Atenção, ela fecha às segundas-feiras. Endereço no mapa
  • Parc des Bastions e em frente se encontra a Ópera de Genebra;
  • Place des Nations, onde está a ONU. Contemplar em frente ao Pavilhão das bandeiras a escultura Broken Chair
  • Nos arredores da ONU, caminhar pelo Jardim Botânico e reservar pelo menos uma hora para o  Museu da Cruz Vermelha. Estas foram importantes dicas para viajar sozinha paraGenebra.

Espero ter dado uma visão geral para que você, sozinha ou com amigos e família, volte para casa tão apaixonada por Genebra quanto eu. “Bon Voyage!”


Conteúdos Relacionados


Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*