Os 5 melhores pontos turísticos naturais de Maringá, no Paraná

Se há algo que chama muito a atenção em Maringá é a quantidade de árvores nas ruas, na zona urbana. Segundo a prefeitura, existe uma árvore para cada quatro habitantes, totalizando uma média de 55m² de área verde por morador da cidade. Tamanha relação com o verde fez o Viajar é Vida elencar os 5 melhores pontos turísticos naturais de Maringá, no Paraná.

Com lago artificial, o Parque do Ingá é área de preservação permanente

Desde 1991 toda a área do Parque do Ingá é de preservação ambiental. Com 474 mil metros quadrados, lago artificial e cerca de 7km de caminhos com pavimentação feita a partir de paralelepípedos de uma antiga avenida da cidade, o Parque do Ingá tem mata nativa preservada. No local também está o Córrego Moscados. A combinação natureza, bem-estar e exercícios físicos se completam com a pista de caminhada e corrida com 3km de extensão. Importante destacar ainda o píer do lago artificial e seus pedalinhos, atração certa para crianças e adultos.

Tradição dos colonizadores de Maringá no Parque do Japão

Um dos mais recentes espaços naturais revitalizados de Maringá, o Parque do Japão foi inaugurado em 2014 e faz uma homenagem aos imigrantes japoneses que colonizaram a região. O lugar mantém viva a tradição e história dos colonizadores graças aos bonsais e carpas existentes. Vale destacar a arquitetura típica das edificações internas, como os quiosques e o ginásio esportivo. Tudo bem no clima oriental. O Jardim Japonês é, talvez, o cenário mais fotografado. Juntos, Museu da Imigração, bosque de cerejeiras, casa de chá e restaurante típico compõem o espaço. O Parque do Japão tem 100 mil metros quadrados de área.

Árvore nativa da Austrália dá o nome ao Bosque das Grevíleas

Este é um nome não muito presente no dia a dia, mas o Bosque das Grevíleas se refere à planta nativa da costa leste da Austrália. É uma árvore que cresce muito rapidamente, tem folha perene e que pode atingir entre 18 e 35 metros de altura. Localizado próximo à Praça Pio XII, tem cerca de 50 mil metros quadrados e pistas de corrida tanto dentro quanto fora. No espaço é possível também pedalar e praticar exercícios físicos. No Bosque das Grevíleas quem também tem destaque são as Buganvíleas (no Sul do Brasil também conhecida como Primavera), árvores mais baixas com flores de cores intensas.

Parque Alfredo Nyffeller mantém vegetação nativa

Menor do que o Parque do Ingá, o Parque Alfredo Nyffeller tem 104 mil metros quadrados, mas da mesma forma mantém área de mata nativa, que foi recuperada após degradação. O processo vem desde 1988, quando o parque foi implantado na intenção de proteger a nascente do Ribeirão Morangueiro. Entre as atrações, estão um lago artificial, dois campos de futebol suíço, playground, pista de corrida e até um mirante. E o Parque Alfredo Nyffeller está entre os cinco pontos turísticos naturais de Maringá.

Fechado para visitação, o Horto Florestal se mantém como referência em Maringá

Já que estamos falando de os cinco pontos turísticos naturais de Maringá, não podemos deixar de fora o Horto Florestal. Daqui partiram as plantas que garantiram toda a relação urbanística de Maringá com o verde. Fundado em 1950 (vejam como é antiga o planejamento estratégico conectado à natureza da cidade), o lugar tem cerca de 370 mil metros quadrados de área. De propriedade da Companhia Melhoramento Norte do Paraná, o lugar serve para preservar essências exuberantes da Mata Atlântica nativa da região e por possuir no seu interior as nascentes que dão origem ao Córrego Borba Gato. Atualmente está fechado para visitação.

Desejo de ser planejada vem dos anos 1950 e garantiu qualidade de vida a Maringá

Maringá é um município brasileiro localizado no Paraná que tem fama pelo planejamento urbano muito antigo, quando este nem era um tema comum na administração pública. É a terceira maior cidade paranaense e, além do desenvolvimento urbano, chama a atenção pela qualidade de vida oferecida aos moradores. São 423 mil habitantes.

O traçado urbanístico planejado e modernista tem assinatura de Jorge Macedo Vieira e seguiu o princípio do britânico Ebenezer Howard de “Cidade Jardim”. Porém, com o passar dos anos, sofreu crescimento acelerado que mexeu um pouco no plano modelo inicial. Ainda assim, o município mantém índices de qualidade de vida elevados, preservando no perímetro urbano grandes áreas de mata nativa.

O traçado de Maringá foi desenhado com largas avenidas, canteiros que valorizavam o paisagismo e ruas que seguiam a inclinação natural do relevo. Dizem os historiadores que o mais interessante disso tudo, é que Jorge de Macedo Vieira nunca esteve em Maringá. Ele realizou o projeto baseado em fotos aéreas.

O pensamento coeso de pensar no crescimento populacional levando em conta o planejamento urbanístico, sem esquecer do meio ambiente garantiram a Maringá ser o que é até hoje. E por isso os 5 melhores pontos turísticos naturais de Maringá, no Paraná, tornam-se importantes incentivadores do turismo na região.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*